Afinal, o que é fantástico? – Parte 01

Olá, pessoas!

Faz um tempinho que eu escrevi uma série de post para o blog [Im]palpável sobre Literatura Fantástica. É um resumão sobre tudo o que eu pesquisei e descobri do assunto (pq, neh, ter base de conhecimento do assunto que se escreve é tudo xD). Escrevi, escrevi, escrevi lá e agora pensei: pq não postar aqui em no blog de Almakia também: Afinal, tem completa relação um assunto com o outro xD Então, preparem-se para uma série de 10 post sobre da onde vem esse tipo de livros de fantasia que gostamos tanto de ler hoje em dia xD

***

Então, já faz muitos anos que temos uma noção básica sobre o que é fantasia. Na verdade, sobre os produtos gerados por pessoas criativas que usam o gênero fantástico para se expressar. Porém, não pensamos muito além disso. Quando surgiu? Ficção científica e fantasia são a mesma coisa? Séries e sagas são a mesma coisa? Distopias são tão fantasia quanto romances sobrenaturais? E que nome dar para o tipo de literatura produzido nesse gênero: literatura fantástica, literatura de fantasia ou simplesmente ficção?

Bom, não espero ter todas as respostas para essas questões. Sou mais uma curiosa que gosta muito desse universo (um termo mais conhecido como ‘nerd’) do que uma estudiosa que traz todo um balaio bibliográfico com autores conhecidos para dar sustentação a afirmações xD Entretanto, espero que todo esse conhecimento acumulado que vou dissertar aqui nesses posts possam pelo menos ajudar outras pessoas a ampliar o seu mundo sobre o assunto. Afinal, aprender uma coisa nova nunca é tempo perdido 😀

Mas, vamos começar com o termo Narrativa Ficcional:

A palavra ficção vem do latim fictio, que deriva do verbo fingire, que por sua vez significa modelar, criar, inventar. Quando identificamos uma narrativa como ficcional, observamos nela uma realidade criada, imaginária, não real.

A narrativa ficcional é produto da imaginação criadora. Sempre mantendo ponto de contato com o real, recria a realidade, baseando-se nela ou dela se distanciando.

Prof.  Maria Alice S. Pinheiro.

fantasia

Por mais que a narrativa ficcional viaje na maionese, ela sempre tem um pé na realidade. É um balão colorido que flutua alegremente, mas ao mesmo tempo tem um fio que o mantêm na mão do leitor. Sempre vamos precisar de um ponto real/comum para nos agarrar e a partir dele modelar toda a fantasia. Pode ser algo bem simples, como um mundo onde existe mar. O mar é algo que nos é conhecido, e a partir dessa informações já podemos pressupor coisas comuns sem que o autor desperdice páginas e mais páginas nos contanto detalhes. Por exemplo, a física que faz um barco navegar pelas águas ou a existência de peixes que servirão de subsistência para os personagens.

Literatura de fantasia angelo silva

Como já dizia o pai da Literatura Fantástica, J. R. R. Tolkien:

O mundo das fadas contém muito mais coisas além dos elfos e fadas, e além de anões, bruxas, trolls, gigantes ou dragões: tem os mares, o sol, a lua, o céu, a terra e todas as coisas que há nela: árvore e pássaro, água e pedra, vinho e pão, e nós, homens mortais.

Aaaaaah, então é super fácil escrever uma fantasia, não? Você só precisa pegar o nosso mundo e enfeitar ele com coisas fantásticas, tipo unicórnios e baleias voadoras, não?

Na verdade, não é bem assim. Existe uma segredo, uma mágica, que poucos escritores conseguem dominar. E, o grande desafio em dominar esse segredos está em desenvolver a capacidade de enxergá-lo, já que ele é bem difícil de se ver. Robert McKee, um roteirista que se especializou no assunto ‘história’ (e nos presenteou com um livro que todos aqueles que pensam em ser escritores deveria ler, o Story), diz o seguinte:

Todos os artistas podem botar suas mãos na matéria-prima de sua arte, exceto o escritor. Pois no núcleo de uma estória há uma substância, como a energia que gira em torno de um átono, que nunca é vista, ouvida ou tocada diretamente, mas ainda assim, a conhecemos e sentimos. A matéria da estória é viva, mas inatingível.

Conseguir identificar essa substância é o segredo. Conhecer a forma da sua substância na hora escrita de um livro faz toda a diferença. Essa é a mágica dos livros que conquistam os corações de seus leitores.

Aaaaaah! Entendi, Lhaisa! Eu tenho que descobrir a substância da minha história, criar um mundo cheio de povos e criaturas fantásticas, um grande mal, heróis cheios de poderes e determinação, batalhas épicas, falas de efeitos e pronto… Serei um escritor famoso e rico!

328330

Olha, até pode, mas não é tão fácil assim xD Uma grande armadilha é querer fazer as coisas grandes, épicas. Às vezes, pequenas coisas se tornam significativamente grandes e tem o mesmo efeito tendo apenas 100 páginas ao invés de 10 volumes com 500 cada um. Compreender que quantidade não é a mesma coisa que qualidade também faz parte desse ‘entender a substância da sua história’ xD

narnia_speed_paint_by_thamzmasterpiece-d5kjgj4

McKee falou coisas sobre isso:

O mundo da estória deve ser pequeno o suficiente de modo que a mente de um único artista possa abranger o universo ficcional criado, de modo que ele o conheça na mesma profundidade e detalhe que Deus conhece o que Ele criou.

Um mundo pequeno, porém, não significa um mundo trivial. Arte (de criar um mundo) consiste em separar um pequeno pedaço do universo de todo o resto e apresentá-lo de uma forma que esse pedaço pareça ser a coisa mais importante e fascinante desse momento.

Grandes escritores sabem. Portanto trabalham dentro do que é conhecível.

O efeito da escrita com autoridade é a autenticidade.

Contar uma estória é fazer uma promessa: se você me der sua atenção, eu lhe darei a surpresa, seguida do prazer de descobrir a vida, suas dores e alegrias em níveis e direções que você nunca imaginou.

Em negrito essa última porque acho que ela deve ser o mandamento de todos os escritores (e, na verdade, para todos aqueles de alguma forma usam o tempo de vida dos outros em seu trabalho, até mesmo o pessoal de telemarketing xD).

ilustracao_de_fantasia_e_literatura_d498f33d71b55f9cc616dc60a068218e_1 (4)

Tarefinha de casa para vocês: pegue aquele seu livro, filme, jogo, novela, música, roteiro, enfim, aquele produto do entretenimento em massa que você mais gosta e tente descobrir ‘o que existe nele que me faz gostar tanto?’

Para que isso? Bom, para quem também trabalha em produzir todas essas coisas, pode ajudar a descobrir a sua própria substância ou aprimorá-la. Para quem não trabalha com isso, vai ajudá-lo a descobrir o que o faz gostar tanto daquilo, e terá mais propriedade ao defender seu gosto para os outros (e até mesmo a encontrar mais produções que sejam do seu gosto). Enfim, vale a pena tentar xD Se não quiser fazer tbm não tem problema, não vou cobrar em prova e até onde eu sei não cai no ENEM xD

Até o próximo post! o/

Anúncios

Um pensamento sobre “Afinal, o que é fantástico? – Parte 01

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s